sábado, 25 de fevereiro de 2012

Fogueira celeste

"Queimando nos céus
Uso meu próprio sangue contra o fogo.
Mas parece que sangue, cheio de ódio assim como o meu.
Funciona como combustível
Para as chamas da justiça...


Não sinto meu coração bater,
Ele se petrificou completamente,
Devido a extensa exposição ao amor que ao eu sentia.
Nunca houve ninguém. capaz de aquece-lo.
E ele então se transformou...


Me cansei de mentiras, e crimes hediondos.
Não ´vou, nem preciso mais me esconder.
Por trás da fantasia de menina ingênua..
Meu lado mal que se libertar.
E eu não estou afim de impedi-lo...


Fecho os olhos e vejo vultos negros..
Ouço vozes metálicas em  minha cabeça..
O melhor a fazer é deixar, com que elas ecoem..
Cantem a melodia que me lavará.
Por caminhos jamais percorridos.


Estou prestes a travar uma batalha..
Em um labirinto sombrio..
Que se esconde dentro de mim,
Não sei onde fica a saída,
E também nem sei se quero encontra-la.


Enxergo tudo em preto e branco..
Mas não me preocupo com isso.
Os maiores pedradores, não diferenciam mesclas de cores.. 
E nem por isso deixam de ser..
Os maiores!!!!


Imagens saltam dos outdoors que vejo pelo caminho.
Realidade e fantasia se misturam..
transformando o mundo, em meu mundo.
tudo isso foi mudado drásticamente..
Pela pervessidade que habita minha mente.


Penso seriamente em não mais is em frente.
Pois se eu for posso não voltar.
Antes de ir tenho e cruel tarefa de decidir..
Que caminho deverei trilhar..
Só sei que... A Luz não me atrai"...
(Rayssa)







0 comentários:

Postar um comentário

 
;